Mistérios por Revelar...

Get Adobe Flash player

Navegação

Post-It




Aqui voçê vai encontrar-se com o insólito!

 Ovnis - Objectos Voadores não Identificados

Tema aqui  informação diversificada sobre UFOS/OVNIS, quer de âmbito nacional quer estrangeiro. Pode observar videos e muito outra informação acerca do assunto que de certo é um tema apaixonante.


  Fantasmas

Quem nos dias de hoje não terá medo de ir sozinho a um cemitério durante a noite ou até mesmo de dia? Porque sucederá isso, se os mortos não fazem mal? Não estará esse medo apavorante relacionado com a alma, segundo conceito geral, estará aí por perto noutro plano? Não será no funda das almas que temos medo?


  Triângulo das Bermudas

O Triângulo das Bermudas é porventura o lugar do mundo onde mais desaparecimentos se deram, quer de pessoas, quer navios ou aeronaves. O desaparecimento do vôo 19 (05Dez1945) será talvez, até hoje, um dos mais interessantes ali verificados, quer pela quantidade simultãnea de aviões  Grumman TBF Avenger desaparecidos (5), quer pela qualidade  técnica dos envolvidos...


 Outros assuntosHistórias de Fantasmas - T2 Ep. Nº 006

Os três tópicos acima referidos, são somente um pouco do muito que por aqui vai encontrar na área do insólito. Se o mistério aguça a sua curiosidade... está no sitio certo! 

EM DIRECTO


Tv do Centro de Ufologia

  • Click no texto acima,(a vermelho) e simultaneamente prima a tecla Ctrl do seu Computador para aceder á TV do Centro de Ufologia.


Fjfluz em

Últimas Visitas

Globo de Visitas

Clicks no Blog

 





See 10-Day Forecast



O Triângulo das Bermudas,conforme mostra a imagem tirada a partir do Google Earth, é uma área situada no Oceano Atlântico(não de contornos tão elásticos quanto a imagem sugere) dentro da qual se acredita que um grande número de navios e aviões tenham desaparecido em condições deveras misteriosas. Os vértices deste triângulo  são delimitados pela ilha da Bermuda, pela cidade de San Juan em Porto Rico e ainda por Miami na Flórida. Por outras palavras, o "Triângulo das Bermudas", assemelha-se na verdade a um losango, ora a uma elipse, dependendo de quem efectua a análise.






Vejamos os videos e muito em particular o relato de Bruce Gernon, piloto particular,que seguia com mais dois pasageiros durante um voo, no mesmo área do desaparecimento do Voo 19 só que 25 anos mais tarde...Um Beechcraft Bonanza voa para dentro de uma monstruosa nuvem (cúmulo) ao largo de Andros, perde o contacto pelo rádio, recuperando-o, quatro minutos depois, mas descobre que agora está a voar sobre Miami, com mais vinte e cinco galões de gasolina do que deveria ter quase a quantidade de gasolina que seria gasta pelo aparelho numa viagem Andros-Miami.




Triangulo das Bermudas



1 – O que é o Triângulo das Bermudas e onde se localiza ?


É uma área no Oceano Atlântico, perto da costa sudeste dos Estados Unidos, que forma, o que se convencionou chamar de triângulo, limitando-se ao norte pelas Bermudas e ao Sul pela Florida, a Oeste por um ponto que passa pelas Bahamas e Porto Rico até aos 40º de Latitude Oeste e que se volta novamente em direcção às Bermudas. Local onde centenas de aviões e navios, desapareceram  sendo a maioria deles após o ano de 1945, e onde milhares de vidas se perderam...  Esta área ocupa um lugar estranho e quase inacreditável no catálogo mundial dos mistérios inexplicáveis.







As "delimitações" do Triângulo das Bermudas





2 – CLIMA



O clima da Flórida é geralmente quente durante o ano todo, no inverno (Dezembro a Fevereiro), sendo muito raramente necessário vestir mais do que um pulôver ou uma qualquer roupa leve. Os meses de verão são muito quentes, com temperaturas muitas vezes em torno de 35 graus centígrados. A estação de chuvas da Flórida, é tipicamente de Junho a Outubro, muitas vezes traz tempestades de curta duração e tendencialmente à tarde.


Navios que são engolidos...
                                   

3 – O que acontece no Triângulo das Bermudas?
Desaparecimento completo e sem deixar rasto de Aviões ou Navios bem como as suas tripulações. Por vezes os navios são encontrados á deriva sem viva alma a bordo

4 – Quais os Factores em análise no Triângulo das Bermudas?

5 – Quais as Explicações para os acontecimentos no Triângulo das Bermudas?
Uma das possíveis explicações para estes fenómenos são os distúrbios que esta região passa, no campo magnético da Terra. Muitos cientistas são cépticos em relação a uma versão sobrenatural, apesar dos inúmeros casos catalogados sem uma explicação clara sobre que de fato ocorreu nesta região. Os meteorologistas  referem-se com frequência ao "Triângulo do Diabo" como uma área limitada por linhas que vão desde as Bermudas até Nova York, pelo norte, e pelo sul até as ilhas Virgens, ondulando à maneira de leque para o oeste e abrangendo 75 graus de latitude oeste


6 – Desde quando acontecem desaparecimentos no Triângulo das Bermudas?
Muito embora existam diversos eventos anteriores, os primeiros relatos que aconteceram de uma forma sistemática começam a ocorrer entre 1945 e 1950. Foi depois da publicação do livro O triângulo das Bermudas de Charles Bertlitz que os eventos foram conhecidos através da imprensa de uma forma mais abrangente, isto é a nível mundial.

7 – Casos mais importantes conhecidos de desaparecimentos?


1800 - USS Pickering Em rota de Guadalupe para  Delaware, desapareceram  90 tripulantes.



    1814 - USS Wasp - Em rota pelo Caribe, desapareceram, em Outubro, 140 tripulantes.





      1824 -  USS Wildcat - Desaparece quando efectuava a rota de Cuba para a ilha Tompkins, com 14 tripulantes.


        1840 - ROSALIE - Navio Francês. deslocava-se de França  para Cuba. Foi encontrado meses depois na área do Triângulo das Bermudas, com as velas recolhidas, carga intacta, navegando normalmente, porém sem nenhum vestígio da sua tripulação. O único ocupante era um canário.


                   
                
        1843 - USS "Grampus" - Desaparece no mês de Março frente a San Agustin, tinha antes de desaparecer 48 tripulantes a bordo.

          1868 -  KAIYO MARU - Um navio enviado pelo governo japonês, justamente com o intuito de estudar o fenómeno no Triângulo das Bermudas, desapareceu  a 15 de Novembro sem deixar nenhuma  pista, com algumas dezenas de cientistas a  bordo.
          1872 - MARY CELESTE - Navio desaparecido em Novembro, com 10 tripulantes. Foi encontrado em Dezembro do mesmo ano sem ninguém a bordo, a norte dos Açores.



          1908 - BALTIMORE - Desaparece a 22 de Janeiro no leste de Hanpton Roads, Virgínia com 9 tripulantes.



          1880 - ATLANTA - Fragata britânica com 290 pessoas a bordo, desaparecido em Janeiro de 1880.



          1902 - FREYA - De origem alemã, ficou um dia desaparecido. Saiu de Manzanillo, Cuba no dia 3 de Outubro. O curioso é que foi encontrado no dia seguinte, no mesmo local de onde havia saído, porém sem nenhuma pessoa a bordo. Todos os tripulantes desapareceram.

          1902 - TIMORE -  Desaparece a 2 de Janeiro , desaparecia, no leste de Hampton Roads, Virgínia, com 9 tripulantes.

          1902 - GEORGE R. VREELAND - Desaparece a 27 de Janeiro , no leste de Hampton Roads, Virgínia, com sete homens a bordo.

          1909 - As Escunas Martha S. Bement, Maggie S. Hart, Auburn e Anna R. Bishop" -  Desapareciam a leste de Jacksonville, na Flórida, com as respectivas tripulações.



          1918 - CYCLOPS - Desaparecido em 4 de Março de 1918. Carregava 19.000 toneladas de provisionamentos para a marinha americana. Tinha 309 pessoas a bordo e desapareceu sem enviar uma mensagem de socorro.


            1924 - RAIFUKU MARU - Cargueiro japonês desaparecido ainda chegou a pedir ajuda pelo rádio, mas nunca foi encontrado.

            1925 - COTOPAXI - Desaparecido próximo a Cuba





                1931 - STAVENGER - Cargueiro desaparecido com 43 homens a bordo.
                  1932 - JOHN & MARY - Desapareceu em Abril. Posteriormente foi encontrado a deriva, a cerca de 80km das ilhas Bermudas.

                  1938 - ANGLO-AUSTRALIAN - Desaparecido em Março. Pediu socorro quando estava próximo do Arquipélago dos Açores. Sua tripulação era de 39 homens.



                    1940 - GLORIA COLITE - Desaparecido em Fevereiro. Também apareceu intacto, mas sem tripulação.


                    1941 - USS NEREUS - USS (AC-10) O Nereus  foi um dos quatro navios da da Classe Proteus.O seu nome teve origem na mitologia Grega. (*1) Nereu era o protector dos marinheiros. Foi um dos 4 Navios carvoeiros construídos para a Marinha dos EUA durante a Primeira Guerra Mundial. Desapareceu no mar após 10 de Dezembro de 1941, fazia o percurso de St. Thomas, nas Ilhas Virgens para Portland, Maine.Levou consigo  uma tripulação de 61 homens  



                    1941 - PROTEUS - O USS Proteus (AC-9) foi um Collier da Marinha dos Estados Unidos que foi convertido  em  navio mercante. Nunca mais se fez ouvir em data posterior a 23 de Novembro de 1941, quando deixou o porto de St. Thomas, nas Ilhas Virgens, com destino a um porto na costa leste dos Estados Unidos. Transportava  uma tripulação de 58 homens e também  uma carga de minério de bauxita .  Dois dos três Proteus construídos, desapareceram  sem deixar vestígios no Triângulo das Bermudas.




                    1944 - RUBICON - Desapareceu em 22 de Outubro. Cargueiro cubano que teria desaparecido no centro  chamado Triângulo das Bermudas. Foi encontrado mais tarde pela Guarda Costeira Americana próximo a costa da Flórida.



                        1945 - 5 Aviões Caça-Bombardeiros TBM Avenger -  Pertencentes á Marinha dos EUA, desaparecem a 5 de Dezembro. Nunca foram encontrados

                        1945 - MARTIM MARINER - Hidroavião enviado na busca do Voo 19, também desapareceu em 5 de Dezembro, após 20 minutos de voo, com 13 tripulantes a bordo. 

                        1945 - SUPER CONTELLATION - Avião desaparecido em 30 de Outubro. Era um avião da Marinha                                                            dos EUA. Estavam 42 pessoas a bordo.

                          
                        1947 - C-54 - Aeronave do Exército dos Estados Unidos, jamais foi encontrado.

                          1
                          1948 - Avião DC-3 - Desaparecido em 28 de Dezembro. Avião particular, comercial, com 32 passageiros.

                            1948 -  TUDOR IV -  Desapareceu a 29 de Janeiro. Aeronave comercial de quatro motores. Tinha 31 passageiros e 3 tripulantes a bordo.

                           1948 - STAR TIGER - Voo iniciado em Lisboa com destino ás Bermudas com escala na ilha de St. Maria para reabastecimento, mas devido a ventos fortes o comandante decidiu voar para as Bermudas no dia seguinte. Descolou no dia 29 de Janeiro. A chegada á Bermuda estava prevista para as 5 Horas.


                          O operador de tráfego aéreo contactou o Star Tiger ás 3.50 mas não obteve resposta, tentou novamente em 04:40 quando estava quase na hora dos procedimentos de descida para a aterragem não obteve qualquer resposta  e imediatamente foi declarada emergência...Não houve nenhum vestígio do vôo, nem houve qualquer pedido de socorro. 
                          Foi efectuada uma enorme operação de resgate lançado por militares da USAF, onde participaram 26 aeronaves que voam para 882 horas para procurar o Star Tiger.
                           A operação durou 5 dias. Mas não foi encontrado nenhum vestígio de passageiros e tripulantes. Em 31 de Janeiro de 1948, a notícia da morte do passageiro de Sir Arthur Coningham compartilhou a primeira página do New York Times, juntamente com outra terrível notícia do assassinato de Mahatma Gandhi e da morte de Orville Wright. 
                          No encerramento deste relatório pode-se dizer que nenhum problema mais desconcertante jamais foi apresentado para investigação. Na ausência completa de qualquer evidência confiável quanto a qualquer natureza ou a causa do acidente do Star Tiger,  não se tem sido capaz de fazer mais do que sugerir possibilidades, nenhuma das quais atinge o nível ainda de probabilidade.



                          Investigação sobre o desaparecimento do Star Tiger. 


                          O Ministério Inglês de Aviação deu início a uma investigação aprofundada chefiada por Lord MacMillan, que durou 11 dias. 

                          A equipe voltou com uma série de observações sobre o que não poderia ter acontecido com o voo do Star Tiger. 

                          Então, qual foi a causa do desaparecimento Tudor Star Tiger?  Será que ficou sem combustível? 

                          Não é possível. Foi confirmado pelos investigadores que, a capacidade dos tanques de combustível, devia ter de durar para pelo menos mais uma hora de voo com as condições mais adversas.

                           Foi uma falha do motor? A aeronave Tudor Mark IV tinha  quatro motores. Sabe-se que com a redução da carga de combustível, a aeronave poderia facilmente voar com 3 ou mesmo dois motores. A falha de 3 motores ao mesmo tempo é um absurdo!

                          Foi uma falha estrutural ou colapso? Mesmo que fosse uma falha estrutural deveriam de terem sido encontrados destroços  Não houve pedido de socorro feito pela tripulação..... Muitas estações de recepção estavam  sintonizadas na  freqüência do Star Tiger, nada foi escutado.

                           O antigo bombardeiro inglês, desapareceu no interior do Triângulo das Bermudas com 25  passageiros. A última notícia que houve foi uma comunicação do piloto com a Torre de Controle informando que chegaria ao destino na hora prevista; nada indicava que  alguma coisa pudesse estar errada. Depois disso o avião nunca mais foi visto. A comissão da Marinha que investigou o desaparecimento do Star Tiger foi  muito clara no seu relatório final, deixando abertas as portas para especulações sobrenaturais.

                          1949 - STAR ARIEL - Idêntico ao Star Tiger o Star Ariel também desapareceu no Triângulo das Bermudas sem deixar vestígios. Tal como no caso anterior, nada indicava que no seu último contacto com o solo, que algo pudesse estar errado.

                              
                              1949 - TUDOR IV -  Uma Aeronave, desapareceu a 17 de Janeiro  ( Aeronave comercial ).
                                1950 - SANDRA - Cargueiro repleto de insecticidas que desapareceu em Junho. Nunca foi encontrado.
                                   1950 - GLOBEMASTER - Avião desaparecido em Março. Era um avião comercial dos Estados Unidos.
                                    1952 - YORK - Aeronave de transporte britânico. Desaparecido em 2 de Fevereiro. Tinha 33 passageiros a bordo fora a tripulação. Desapareceu a norte do Triângulo das Bermudas.

                                      1955 - CONNEMARA IV - Desapareceu em Setembro, apareceu a 640km das Bermudas, também sem tripulação.



                                        1956 - MARTIN P-5M - Hidroavião desaparecido em 9 de Novembro. Fazia a patrulha da costa dos Estados Unidos. Desapareceu com 10 tripulantes a bordo nas proximidades do Triângulo das Bermudas.



                                          1957 - CHASE YC-122 - Desaparecido em 11 de Janeiro. Era um avião cargueiro com 4 passageiros a bordo.


                                          1962 - BOEING KB-50 - Aeronave Tanque que desapareceu quando cruzava o Triângulo a 8 de Janeiro. Tratava-se de um avião tanque das Forças Armadas dos Estados Unidos.




                                            1963 - MARINE SULPHUR QUEEN - Cargueiro que desapareceu em Fevereiro sem emitir nenhum pedido de socorro.



                                              1963 - 2 STRATOTANKERS KC-135 - Desapareceram a 28 de Agosto. Eram 2 aviões de quatro motores cada, novos, ao serviço das Forças Armadas dos EUA. Iam em missão secreta para uma base no Atlântico, ...nunca chegaram ao destino. 



                                                1963 - SNO'BOY - Desaparecido em 1º de Julho. Era um pesqueiro com 20 homens a bordo. Nunca foi encontrado. 



                                                  1963 - CARGOMASTER C-132 - Aeronave desaparecida em 22 de Setembro perto do Arquipélago dos Açores.


                                                    1965 - FLYNG BOXCAR C-119 - Desaparecido em 5 de Junho. Era um avião comercial com 10 passageiros a bordo.



                                                    1967-WITCHCRAFT - Desaparecido em 24 de Dezembro. Considerado um dos casos mais extraordinários do Triângulo. Tratava-se de uma embarcação que realizava cruzeiros marítimos. Estava amarrado a uma bóia em frente ao porto de Miami, Flórida, a cerca de 1600 metros do solo. Simplesmente desapareceu com sua tripulação e um passageiro a bordo.


                                                    1973 - ANITA - Desaparecido em Março. Era um cargueiro de 20.000 toneladas que estava a navegar próximo ao Triângulo das Bermudas, tinha a bordo 32 tripulantes.


                                                    1973 - MILTON ATRIDES - Cargueiro desaparecido em Abril .
                                                      1976 - GRAND ZENITH - Petroleiro, afundou-se com pessoas e bens a bordo. Deixou uma grande mancha de petróleo que, pouco depois, também desapareceu.

                                                              
                                                        1976 - SS SYLVIA L. OSSA - Embarcação que afundou devido a um furacão a oeste das ilhas Bermudas.
                                                          1978 - SS HAWARDEN BRIDGE - Embarcação encontrada abandonada no Triângulo.

                                                          1980 - SS Poet - Embarcação afundada num furacão no Triângulo. Transportava cereais para o Egipto.


                                                              1995 - JAMANIC K - Cargueiro que afundou no Triângulo, depois de sair de Cap-Haïtien.
                                                                1997 - É encontrado um iate alemão.
                                                                  1999 - GENESIS - Cargueiro que afundou depois de sair do porto de São Vicente; a sua carga incluía 465 toneladas de tanques de água, tábuas, cimento e tijolos; informou que tinha problemas com uma bomba antes de perder o contacto. Foi realizada uma busca sem sucesso em uma área de 85.000 km² (33.000 milhas quadradas).
                                                                    OUTROS EVENTOS
                                                                    Um Beechcraft Bonanza voa para dentro de uma monstruosa nuvem cúmulo ao largo de Andros, perde o contato pelo rádio e logo recupera-o, quatro minutos depois, mas descobre que agora está sobre Miami, com mais vinte e cinco galões de gasolina do que deveria ter-quase exatamente a quantidade de gasolina que seria gasta pelo aparelho numa viagem Andros-Miami.


                                                                    Um Cessna 172 é "apanhado" por uma nuvem, o que resulta em funcionamento defeituoso dos instrumentos, com consequente perda de posição e morte do piloto, como informaram os  passageiros sobreviventes.


                                                                    Vejamos os videos e muito em particular o relato de Bruce Gernon, piloto particular,que seguia com mais dois pasageiros durante um voo, no mesmo área do desaparecimento do Voo 19 só que 25 anos
                                                                    mais tarde...Um Beechcraft Bonanza voa para dentro de uma monstruosa nuvem (cúmulo) ao largo de Andros, perde o contacto pelo rádio, recuperando-o, quatro minutos depois, mas descobre  que agora está a voar sobre Miami, com mais vinte e cinco galões de gasolina do que deveria ter quase a quantidade de  gasolina que seria gasta pelo aparelho numa viagem Andros-Miami.





                                                                    Um 727 da National Airlines fica sem radar durante dez minutos, tempo em que o piloto informa estar a voar através de um leve nevoeiro. Na hora de aterrar, descobre-se que todos  os relógios a bordo e o cronometro do avião perderam exactamente dez minutos, apesar de uma verificação da hora cerca de trinta minutos antes da aterragem.





                                                                    Os videos que se seguem abordam a análise climática, os fundos marinhos na zona, e algumas explicações plausíveis para os desaparecimentos de tantos navios e aeronaves.


                                                                    Triângulo das Bermudas  Video 1 de 3
                                                                     (Em Lingua Inglesa)




                                                                      Triângulo das Bermudas  Video 2 de 3
                                                                       (Em Lingua Inglesa)




                                                                      Triângulo das Bermudas  Video Final de 3
                                                                      (Em Lingua Inglesa)








                                                                              No preciso momento em que estiver a ler estas palavras, provavelmente estará um infeliz a debater-se com a morte no Triângulo das Bermudas. A ele eu dedico este trabalho


                                                                              OS DADOS...

                                                                              País: Estados Unidos da América
                                                                              Data: 5 de Dezembro de 1945
                                                                              Tipo de Aeronave: Grumman TBF Avenger
                                                                              Local de descolagem: NAS Forth Lauderdale
                                                                              Tripulação: 14 Elementos de 15 previstos
                                                                              Hora de descolagem: 14H 10m
                                                                              Hora prevista de Aterragem: 17H 23m
                                                                              Tipo de Voo: Militar
                                                                              Tipo de missão: Treino
                                                                              Especificação da missão: Navegação e Bombadiamento
                                                                              Nome de código da missão: Problema de navegação nº 1
                                                                              Druação prevista do voo:3H 13m
                                                                              O clima:Céu ensoladado á vertical da pista
                                                                              Velocidade das aeronaves: 150Mph (xxK/h





                                                                              Voo 19 era a designação de cinco bombardeiros Avenger TBM torpedo da Marinha dos EUA que desapareceram em 05 de Dezembro de 1945, durante uma missão de rotina, com origem na Base Naval Air Station em Fort Lauderdale, na Flórida. Todos os 14 tripulantes do voo desapareceram para sempre, o mesmo destino tiveram os 13 tripulantes de um dos dois Martin Mariner PBM que voaram em seu socorro. O nome de código da missão era "Problema de Navegação Nº 1", uma combinação de bombardeamento e de navegação, que outros voos já teriam concluído ou estavam programados para realizar naquele dia. Foi efectuada a maior missão de busca e salvamento da história. O Voo 19 continua a ser um dos maiores mistérios da aviação. O tempo sobre a área do desaparecimento consistiu em alguns períodos de chuva esparsa a um tecto de 2.500 pés (762Metros), a visibilidade de 6-8 milhas () e vento contrário. Ventos de superfície foram 20 nós (+/-40 Km/h) com rajadas de até 31 (+/-62 Km/h) nós. O estado do mar era de moderado a áspero. As condições meteorológicas gerais foram consideradas médias para voos de treino desta natureza. Uma mensagem de rádio interceptada cerca de 4 horas depois foi a primeira indicação de que o voo 19 estava perdido. Esta mensagem, acredita-se que entre o líder no voo 19 e outro piloto no mesmo voo, indicou que o instrutor tinha dúvidas quanto á sua posição e direcção relativamente á costa da Flórida. Segundo o relato, o avião também estaria com mau funcionamento nas bússolas. Tentativas de estabelecer comunicação na frequência de treino foram insatisfatórios devido à interferência de estações de radio difusão em Cuba, estática, e condições atmosféricas. Todo o contacto de rádio foi perdido antes de a natureza exacta do problema ou a localização do voo poder ser determinado. As indicações são de que o voo perdeu-se em algum lugar no leste da península da Flórida e foi incapaz de determinar a direcção correcta para regressar à base. O voo nunca mais foi ouvido e nenhum vestígio dos aviões foi encontrado. Supõe-se que eles fizeram uma amaragem forçada no mar, na escuridão em algum lugar a leste da península da Flórida, possivelmente depois de ficar sem combustível. Sabe-se que o combustível transportado por cada aeronave teria sido completamente esgotada cerca das 20:00 Horas. O mar nessa área era supostamente áspero e desfavorável para uma amaragem. Também é possível que algum acontecimento inesperado e imprevisto de condições de tempo tenha interferido embora não haja evidência de tempestade anormal na área e no momento do desaparecimento.


                                                                              Carta de Navegação com o plano do Voo 19

                                                                              Voo 19...

                                                                              ...As aeronaves

                                                                              - Grumman Avenger TBF-1 Torpedo

                                                                              - Martin Mariner



                                                                              Especificações : Aeronave  TBF/TBM  AVENGER

                                                                              Foi o maior avião monomotor usado durante a guerra. TBF e TBM são designações para o mesmo tipo de aeronave, que passou a ser construída em fábricas diferentes por diferentes empresas.

                                                                              TBF = Torpedo Bomber Grumman
                                                                              TBM = Torpedo Bomber General Motors.

                                                                              Durante a guerra a General Motors a Ford e a Chrysler não construíram automóveis, mas sim aviões, tanques e jipes criados mesmo por outras companhias. O Avenger foi o primeiro projecto a apresentar um novo mecanismo de asa dobrável criado por Grumman, destinada a maximizar o espaço de armazenamento um porta-aviões, os modelos Wildcat e depois o F4F-4 e  F6F Hellcat  receberam uma asa semelhante.


                                                                               CARACTERÍSTICAS:









                                                                               

                                                                              Asas Dobráveis


                                                                              • Três assentos
                                                                              • O motor: Wright R-2600-20
                                                                              • Torre traseira alimentado
                                                                              • Três  metralhadoras calibre .30
                                                                              • Baía interna grande
                                                                              • Peso vazio: £ 10.843
                                                                              • Peso máximo: £ 18.250
                                                                              • Velocidade máxima 267 mph 
                                                                              • Tecto de 16.000 pés (4.876,562 Metros)
                                                                              • Tecto de Máximo: 23.400 pés (7.131.975 Metros)
                                                                              • Alcance: 1.130 milhas náuticas Americanas (2.092,760 Km)
                                                                              • Tripulação de três pessoas:Piloto,Operador de Comunicações e Artilheiro da Torre ou artilheiro ventral
                                                                              • Uma metralhadora de calibre .30 foi montada no nariz do Avião
                                                                              • Uma pistola de calibre .50 foi montada ao lado da cabeça do artilheiro da Torre.



                                                                               

                                                                              Informação Complementar:


                                                                              E na torre virada para trás, e movido a electricidade, uma metralhadora de mão de calibre .30 montada centralmente ( sob a cauda), utilizada para a defesa contra caças inimigos, atacando a partir de baixo e para a retaguarda. Esta arma foi disparada pelo operador de rádio e / ou artilheiro em pé curvando na barriga para a cauda do avião, ​​embora se sentasse habitualmente num banco dobrável para a frente para operar o rádio e ter visão dos bombardeiros. Mais tarde, os modelos da TBF / dispensaram a arma nariz, optando por montar em cada asa  calibre .50 a pedido dos pilotos a fim de ter melhor e mais direccionado poder de fogo.  O equipamento de rádio era de enormes dimensões, especialmente pelos padrões actuais, o que enchia praticamente todo o dossel de vidro para a parte traseira do piloto. Os rádios eram acessíveis para a reparação através de um "túnel" ao longo do lado direito. Quaisquer Avengers que ainda hoje voam geralmente   têm um assento traseiro adicional montado  no lugar dos rádios, o que aumenta a
                                                                              tripulação a quatro pessoas.



                                                                              O Avenger tinha um compartimento de bombas de grande porte, permitindo carregar uma Bliss-Leavitt 13, ou uma bomba única de 2000 libras (646 Kg) , ou até quatro bombas de 500 libras (161.5 Kg). A aeronave tinha robustez e estabilidade geral, e os pilotos dizem que voou como um camião, para o melhor e para pior. Com Bom equipamento de rádio e longas e fáceis manutenções de rádio, o "Vingador" Grumman também tinha as condições  ideais para Comando e Controlo aéreo no, Air Group Commanders (CAGs). Com um tecto de 23.400 pés  totalmente carregado, era melhor do que qualquer bombardeiro americano anterior e melhor do que o seu homólogo Japonês: o obsoleto Nakajima B5N "Kate".















                                                                                Nakajima B5N "Kate"
                                                                                Os modelos posteriores do Avenger foram equipados com capacidades  para ASW (Anti-Submarine Warfare) e AEW (Airborn Early Warning).

                                                                                Construção de Aeronaves Grumman Avenger :


                                                                                Modelo  Grumman Avenger TBF-1
                                                                                1942
                                                                                Fevereiro - 5  
                                                                                Junho - 60 
                                                                                Julho - 150          
                                                                                Novembro - 100
                                                                                1943
                                                                                 Julho - 150


                                                                                Construção Aviões Grumman Avenger GM TBM
                                                                                1942
                                                                                Novembro - 1  
                                                                                1943
                                                                                Mês Desconhecido  - 100
                                                                                1944
                                                                                Junho - 300
                                                                                1945
                                                                                Março - 400


                                                                                24 de Agosto de 1942
                                                                                Depois que os americanos tomaram Guadalcanal, o almirante Yamamoto não perdeu tempo na organização de um grande contra-ataque naval; nesse dia foram empenhados 26 aviões, perderam-se  7.Nos dois primeiros anos da guerra as batalhas iniciais mostraram os pontos fortes e fracos do Avenger. A sua maior fraqueza não era  não era o avião em si, mas sim os torpedos  construídos de forma deficiente pela Marinha dos EUA.




                                                                                A Guerra com os Submarinos  U-Boat

                                                                                Na luta do Atlântico Norte, os Avengers destruíram 30 submarinos, incluindo o naufrágio do submarino  japonês I-52.



                                                                                Martin Mariner



                                                                                    Martin Mariner 

                                                                                                                    
                                                                                 Dos dois aviões descolaram em socorro do Voo 19, exactamente iguais a este, um deles desapareceu sem deixar rasto, transportava 13 Homens a bordo...descolou quando eram  aproximadamente 19:30 , a 5 de Dezembro de 1945 ! Acredita-se que esta aeronave explodiu e afundou-se em perto das seguintes Coordenadas:
                                                                                                      28,59 N
                                                                                                      80,25 W

                                                                                ...nenhum vestígio do avião ou sua tripulação jamais foi encontrado. 

                                                                                O tenente David White, NASFL instrutor de voo, participou na busca de Voo 19.

                                                                                "Nós tivemos centenas de aviões na busca e salvamento, e procuramos por terra e água durante dias, ninguém  encontrou corpos ou quaisquer detritos das aeronaves."


                                                                                Um pouco da sua história...

                                                                                David White nasceu em Detroit, Michigan, aos 18 anos de idade, ofereceu-se para o Programa de Aviação. Na primeira, David pilotou o (Boeing) Stearman modelo 75, um bimotor usado como avião de treino militar. Após concluir a formação de pilotagem foi colocado no Corpus Christi, no Texas, sendo  chamado para o activo em 1943. Casou em Detroit,1945, com a sua esposa Tish.
                                                                                Chegou á Flórida para inicio de carreira e viveu na NAS Fort Lauderdale entre 1945 e 1946, onde se tornou instrutor de voo com 21. Tornou-se um piloto experiente no Avenger TBM / TBF como instrutor de voo sendo também oficial de Operações. Após o fim da guerra, em 5 de Dezembro de 1945, o tenente-White tornou-se um participante na Busca e salvamento de um dos maiores mistérios da aviação: o desaparecimento do voo 19.
                                                                                "Convocou, na qualidade de oficial de Operações, todos os instrutores de voo às 5 da manhã para  um briefing tendo em vista o resgate, nos próximos 3 dias, dos pilotos desaparecidos do voo 19." 
                                                                                Ele, o seu assistente e 20 de seus pilotos esquadrinharam a costa da Flórida de uma ponta á outra a baixa altitudes, mas não conseguiu encontrar um único vestígio dos aviadores ou dos destroços.

                                                                                David saiu de NAS Fort Lauderdale em 1946, e foi colocado em  Oceana, VA, depois em Maryland, Califórnia, e Memphis num total de 13 colocações por todo o país. Continuou a servir o país sendo posteriormente  colocado em Marrocos, enquanto a sua esposa Tish ficaria nos EUA a cuidar dos seus filhos. 
                                                                                Durante os anos de guerra, David adquiriu experiência em Eletrónica, Administração de Pessoal, e  Instrução de voo. Tirou um diploma de bacharel da Universidade de Michigan. Saiu da Marinha em 1954, passando a trabalhar na área de Planeamento de Aposentação, em Detroit, Michigan. Em 1973, O casal comprou uma casa em Hillsboro, Flórida onde viveram vários anos, até que finalmente se estabeleceram  na Flórida, em 2007 e onde Tish viria a faleçer.





                                                                                OS HOMENS...



                                                                                Os militares do Vôo 19 + Martin Mariner PBM-5 
                                                                                Nº de
                                                                                Aéronave
                                                                                Piloto Tripulação/Função NºSerie
                                                                                FT- 28 Charles C. Taylor, Tenente, USNR

                                                                                George Devlin, AOM3c, USNR
                                                                                Walter R. Parpart, ARM3c, USNR
                                                                                23307
                                                                                FT- 36

                                                                                E. J. Powers, Capitão, USMC


                                                                                Howell O. Thompson, SSgt., USMCR

                                                                                George R. Paonessa, Sgt., USMC
                                                                                46094
                                                                                FT- 3

                                                                                Joseph T. Bossi, Ensign, USNR
                                                                                Herman A. Thelander, S1c, USNR
                                                                                Burt E. Baluk, JR., S1c, USNR
                                                                                45714
                                                                                FT- 117

                                                                                George W. Stivers, Capitão, USMC
                                                                                Robert P. Gruebel, Pvt., USMCR
                                                                                Robert F. Gallivan, Sgt., USMC
                                                                                73209
                                                                                FT- 81* Forrest J. Gerber, 2ºTenente, USMCR
                                                                                Allan Kosnar -  Ausente da Missão
                                                                                 a seu pedido
                                                                                William E. Lightfoot, Pfc., USMCR
                                                                                46325
                                                                                Bu Nº 59225
                                                                                Walter G. Jeffery, Ltjg, USN
                                                                                Harrie G. Cone, Ltjg, USN
                                                                                Roger M. Allen, Ensign, USN
                                                                                Lloyd A. Eliason, Ensign, USN
                                                                                Charles D. Arceneaux, Ensign, USN
                                                                                Robert C. Cameron, RM3, USN
                                                                                Wiley D. Cargill, Sr., Seaman 1st, USN
                                                                                James F. Jordan, ARM3, USN
                                                                                John T. Menendez, AOM3, USN
                                                                                Philip B. Neeman, Seaman 1st, USN
                                                                                James F. Osterheld, AOM3, USN
                                                                                Donald E. Peterson, AMM1, USN
                                                                                Alfred J. Zywicki, Seaman 1st, USN
                                                                                59225
                                                                                Este avião descolou com tripulação reduzida. Allan Kosnar, era membro do Corpo de Marines, o militar  tinha permissão especial para não voar naquele dia... havia tido a premonição de que... se fosse naquele voo a sua vida estaria em causa!!!!! 

                                                                                Brevet de Pilotagem....da altura 1945



                                                                                TRIPULAÇÃO DO VOO 19

                                                                                 AVENGER

                                                                                AVIÃO FT-28 - LEADER AIRCRAFT

                                                                                Nº DE CAUDA 23307


                                                                                Charles C. Taylor, Tenente USNR - Flight Leader

                                                                                Nasçeu a 25 de Outubro de 1917, faleçeu em 5 de Dezembro de 1945, durante o voo 19. Tinha 28 Anos.
                                                                                  

                                                                                Curriculum
                                                                                • Oficial Piloto da Marinha dos Estados Unidos.
                                                                                • Serviu na Reserva Naval, durante a II Guerra Mundial.
                                                                                • Graduou-se o Corpus Christi NAS em Fevereiro de 1942.
                                                                                • Tornou-se instrutor de voo em Outubro  de 1942.
                                                                                • Em Novembro de 1943, voou com o 62 º Esquadrão Escotismo, quando se tornou piloto de avião Avenger FT-36 Torpedo no Esquadrão Nº7.
                                                                                • De Abril a Dezembro de 1944, esteve a bordo do USS Hancock fazendo parte da Task Force 38.
                                                                                • Fez parte da Acorn 36, Miami NAS Opa Locka bem como do Esquadrão 79.
                                                                                • Em 21 de Novembro de 1945, é transferido para Fort Lauderdale.
                                                                                • Tinha 2,509.3 horas de voo, 616 em Avenger.
                                                                                • Foi o comandante do Vôo 19 que desapareceu no Triângulo das Bermudas, durante uma missão de treino.



                                                                                Navy Official Accident Report

                                                                                Charles C. Taylor

                                                                                  (CLICK NA IMAGEM PARA AUMENTAR O DOCUMENTO)




                                                                                   
                                                                                  George Devlin, AOM3c, USNR




                                                                                  Howell O.Thomson, SSgt. USMCR




                                                                                  AVIÃO FT-36

                                                                                  Nº DE CAUDA 46094

                                                                                  Edward Joseph Powers, Capitão, USMC
                                                                                   Nasceu em 1919 e faleçeu a 5 de Dezembro de 1945 durante o Voo 19 no Triângulo das Bermudas


                                                                                  Curriculum
                                                                                  • Oficial da Marinha dos Estados Unidos
                                                                                  • Piloto durante a Segunda Guerra Mundial.
                                                                                  • Tornou-se piloto em Princeton em 1941 e foi para a Reserva Naval.
                                                                                  • Em 1944, torna-se cadete.

                                                                                  Navy Official Accident Report
                                                                                  Edwad Joseph Powers

                                                                                  (CLICK NA IMAGEM PARA AUMENTAR O DOCUMENTO)




                                                                                  Howell O. Thompson, SSgt., USMCR 




                                                                                  George R. Paonessa, Sgt., USMC 




                                                                                  AVIÃO FT- 3
                                                                                  Nº CAUDA 45714

                                                                                  Joseph T. Bossi, Ensign, USNR 

                                                                                  Navy Official Accident Report
                                                                                  Edward Joseph Powers

                                                                                  (CLICK NA IMAGEM PARA AUMENTAR O DOCUMENTO)






                                                                                  Herman A. Thelander, S1c, USNR



                                                                                  Burt E. Baluk, JR., S1c, USNR



                                                                                  AVIÃO FT- 117
                                                                                   Nº DE CAUDA 73209

                                                                                  George Williams Stivers, Capitão, USMC
                                                                                                                 
                                                                                  Curriculum
                                                                                  • Militar de Carreira na Marinha dos Estados Unidos, participou na Segunda Guerra Mundial.
                                                                                  • Formou-se na  Academia Naval em Annapolis, Maryland, em 1942.
                                                                                  • Foi citado por actos de bravura no Sul do Pacífico, Guadalcanal em 1942 e Tarawa em 1943.
                                                                                  • Em 1944 era cadete piloto. Nesse mesmo ano, recebeu  o brevet no Corpus Christi NAS.
                                                                                  • Tinha  579 horas de voo, das quais 374,7 em aeronave Avenger FT-117.
                                                                                  • Fazia parte do voo fatídico que desapareceu no Triângulo das Bermudas, durante uma missão de treino.


                                                                                  Navy Official Accident Report
                                                                                  George Williams Stivers


                                                                                  (CLICK NA IMAGEM PARA AUMENTAR O DOCUMENTO)






                                                                                  Robert P. Gruebel, Pvt., USMCR






                                                                                  Robert F. Gallivan, Sgt., USMC






                                                                                  AVIÃO FT- 81
                                                                                   Nº DE CAUDA 46325



                                                                                  Forrest J. Gerber, 2ºTenente, USMCR



                                                                                  Navy Official Accident Report
                                                                                  Forest JGerber

                                                                                  (CLICK NA IMAGEM PARA AUMENTAR O DOCUMENTO)






                                                                                  * Allan Kosnar (Ausente da Missão a seu pedido)







                                                                                  William E. Lightfoot, Pfc., USMCR 




                                                                                  TRIPULAÇÃO DO AVIÃO 

                                                                                  MARTIN MARINER TBM 5


                                                                                  Tripulação do Avião Martin Mariner que foi em socorro do Voo 19
                                                                                  BU Nº59225 
                                                                                  Nº de Cauda 59225


                                                                                  Walter G. Jeffery, Ltjg, USN




                                                                                  Harrie G. Cone, Ltjg, USN






                                                                                  Roger M. Allen, Ensign, USN






                                                                                  Lloyd A. Eliason, Ensign, USN






                                                                                  Charles D. Arceneaux, Ensign, USN






                                                                                  Robert C. Cameron, RM3, USN






                                                                                  Wiley D. Cargill, Sr., Seaman 1st, USN






                                                                                  James F. Jordan, ARM3, USN






                                                                                  John T. Menendez, AOM3, USN






                                                                                  Philip B. Neeman, Seaman 1st, USN






                                                                                  James F. Osterheld, AOM3, USN






                                                                                  Donald E. Peterson, AMM1, USN






                                                                                  Alfred J. Zywicki, Seaman 1st, USN



                                                                                  Os Carros de Bombeiros tipícos da altura... 1945 








                                                                                  LT(JG) George H.W. Bush

                                                                                  Sem dúvida, o homem mais famoso a voar uma Avenger foi George W. Bush, mais tarde  o Quadragésimo primeiro presidente dos Estados Unidos. Ingressou na Marinha em 1942, e tornou-se o mais jovem piloto da Marinha  em Junho de 1943. Bush, tornou-se piloto e viveu nos quartos dos oficiais  no Naval Air Station  no Fort Lauderdale durante o verão de 1943, onde efectuou treino como um piloto de Avenger. Foi designado para seu instructor  o tenente Thomas  conhecido por"Tex" Ellison  Tenente Coronel Ellison acabado de voltar de combate no teatro do Pacífico, onde se tornou um experiente piloto,quando  foi nomeado instructor  de Bush voou em Avenger  no USS San Jacinto. Em 2 de Setembro de 1944,  foi abatido sobre Chichi Jima. Soltou  de pára-quedas  e foi resgatado, nenhum dos restantes  tripulantes sobreviveu. 


                                                                                  Os Avengers  desempenharam  um papel-chave no afundamento do navio de guerra japonês, o Super-Musashi, na Batalha do Mar de Sibuyan e também na acção  do dia seguinte, na Batalha do Golfo de Leyte, onde os  Avengers ajudaram a afastar os navios de superfície japoneses. Os TBF também ajudaram  a afundar  o navio Zuikaku .
                                                                                  Em  1945  os Grumman afundaram o Yamato, na sua última corrida desesperada para Okinawa em 7 de Abril de 1945.


                                                                                  Após a guerra, os Avengers  continuaram a voar na Marinha dos EUA, principalmente  em treino e formação em  luta anti-submarina,  e Contra Medidas Eléctronicas(ECM), como por exemplo nas plataformas de mísseis. 
                                                                                  Grande número de Avengers podiam ainda ser encontrados  em 1960 , em países como o Canadá, França, Japão e Holanda. Muitos deles  foram convertidos para uso civil como bombeiros.





                                                                                  JORNAL LOCAL QUE RELATA A CATÁSTROFE DO VOO 19



                                                                                  Talvez o mais mediático desaparecimento no Triângulo das Bermudas: O desaparecimento completo do Voo 19 composto por 5 Aviões TBF Avenger da Marinha dos Estados Unidos que seguiam em formação numa missão de treino. Desapareceram sem deixar qualquer rasto.
                                                                                  A missão era de treino, o líder era um experiente piloto de combate, Tenente Charles Carroll Taylor, tinha cerca de 2.500 horas de voo, fora também piloto instrutor de voo em aviões VTB. Os aviões eram confiáveis ​​e estavam em boas condições. 

                                                                                  Os restantes (alunos) pilotos da missão, tinham um total de horas que oscilavam entre as 60 e  300 horas de voo em Avenger. Todos tinham  efectuado recentemente outras missões de treino com sucesso na área onde o voo se iria desenrolar.


                                                                                  O dia 5 de Dezembro de 1945 ficaria conhecido nos Estados Unidos como a data do acontecimento de um dos maiores mistérios da Marinha Americana.
                                                                                  Foi nessa data que 6 aviões militares americanos desapareceram sem deixar vestígios, e nunca mais foram encontrados, mesmo após intensas buscas envolvendo aviões militares, navios da marinha americana, e até com a participação de navios mercantes.
                                                                                  Devido à esses desaparecimentos, em conjunto com muitos outros que aconteciam na região, é que o famoso Triângulo das Bermudas recebeu esse nome, pois nessa área delimitada por um triângulo, centenas de navios e aviões desapareceram sem deixar rasto, gerando um mistério que até os dias de hoje nunca foi desvendado.


                                                                                  Abordagem ao desaparecimento do Voo 19,bem como outros eventos ocorridos no Triângulo

                                                                                     Veja o Video!


                                                                                  Voo 19 era a designação de um grupo de 5 aviões  bombardeiros Avenger TBM Torpedo  pertencentes á  Marinha dos Estados Unidos e que numa missão de treino  desapareçeram em 05 de Dezembro de 1945, estas aeronaves descolaram da Naval Air Station em Fort Lauderdale, na Florida.Todos os 14 pilotos do voo foram perdidos. Nunca foram descobertas as causas do desaparecimento 

                                                                                  As aeronaves eram pilotadas por cinco comandantes e contavam com nove membros na tripulação, distribuídos dois a dois em casa avião, menos um deles, que pedira a para não efectuar aquele voo devido à um "pressentimento" e não foi substituído.

                                                                                  Os aviões eram aparelhos  Grumman Navais, modelo TBM-3 Avenger, bombardeiros com torpedos, e cada um deles levava combustível para um voo de mais de mil e seiscentos quilómetros.

                                                                                  A temperatura naquele dia era de 18,3º C, o sol brilhava e havia pequenas nuvens dispersas e ventos moderados de nordeste. Pilotos que haviam voado antes naquele mesmo dia haviam constatado as condições ideais de voo.


                                                                                  O plano de voo da a equadrilha  do "Vôo 19" foi determinado da seguinte forma:

                                                                                  Seguir uma linha triângular, iniciando na Base Aeronaval de Fort Lauderdale, na Flórida, avançando 250 km para leste, 65 km para o norte, e depois regressar à base de descolagem pelo rumo sudoeste.O tempo estimado do voo era de duas horas. Os aviões da esquadrilha do Voo 19 descolaram às 14:00', e às 14:10' estavam todos no ar. O tenente Charles Taylor, com mais de 2.500 horas de voo, era o líder da esquadrilha, levou o todo o grupo em direcção aos baixios Chicken, ao norte de Bimini, onde eles deveriam fazer ataques de treino sobre um casco desmantelado de um navio, o qual serviria de alvo. Tanto os pilotos como os tripulantes eram experientes e não havia nenhuma razão para esperar algo de natureza excepcional naquela missão rotineira do Voo 19.


                                                                                  Mas… algo aconteceu. Por volta das 15:15', quando as acções de bombardeio terminaram e os aviões deveriam continuar no rumo leste… o operador de rádio da torre da Base Aeronaval de Forte Lauderdale, que estava à espera do contacto com os aviões para saber a provável hora do regresso e transmitir-lhes as instruções de aterragem, recebeu uma mensagem extraordinária do líder da esquadrilha. As gravações existentes mostram a conversa:


                                                                                  Tenente Charles Taylor:  Tenente Charles Taylor Líder da Esquadrilha : Chama a Torre de Controlo  Aéreo. Isto é uma emergência. Parece que estamos fora de rumo. Não consigo ver a terra.... repito... Não consigo ver a terra.

                                                                                  Torre: Qual é a sua posição?

                                                                                  Tenente Charles Taylor: Não estamos certos da nossa posição. Não tenho certeza de onde estamos... Parece que estamos perdidos.

                                                                                  Torre: Mude o rumo para o Oeste.

                                                                                  Tenente Charles Taylor: Não sabemos de que lado fica o Oeste. Está tudo errado... Estranho... Não temos certeza de nenhuma direcção - até mesmo o oceano parece estar diferente, esquisito....

                                                                                  Às 15:30' da tarde, o instrutor-chefe de voo em Forte Lauderdale captou no rádio uma mensagem de alguém chamando Powers, um dos alunos-pilotos, pedindo informações a respeito da leitura de sua bússola, e ouviu Powers responder:

                                                                                  Tenente Charles Taylor: Eu não sei aonde estamos. Devemos ter-nos perdido após a última mudança de rumo.

                                                                                  O instrutor-chefe conseguiu um contacto com o Voo 19, e chamou o instrutor da esquadrilha, e disse-lhe:

                                                                                  Tenente Charles Taylor: Ambas as minhas bússolas deverão estar inoperativas. Estou a tentar que encontrar forma de trazê-los de volta a Forte Lauderdale... Tenho certeza que deverão estar sobre as ilhas do litoral, mas não sei a que distância... rumem a norte - com o sol no vosso bombordo - até que  alcancem a Base…  Mas logo em seguida ouviu:

                                                                                  Tenente Charles Taylor: Acabamos de passar sobre uma ilhota... Não há mais nenhuma terra à vista....

                                                                                  Isso indicava que o avião do instrutor do Voo 19 e toda a esquadrilha não estava sobre a costa  já que nenhum deles conseguia ver terra, se seguisse na direcção às ilhas baixas da costa da Flórida, estavam agora perdidos...


                                                                                  Foi ficando então cada vez mais difícil captar as mensagens do Voo 19 devido à estática. Aparentemente o Voo 19 já não podia ouvir as mensagens enviadas pela torre de controlo, mas a torre conseguia ouvir a conversa trocada entre os aviões. Algumas referiam-se a uma possível falta de combustível - gasolina para a penas mais 100 Km de voo, referências a ventos de 120 km/h, e a desalentada observação de que todas as bússolas, magnéticas ou giroscópicas, de todos os aviões, "tinham ficado malucas"- tal como haviam dito antes - cada qual dando uma leitura diferente.

                                                                                  Durante todo esse tempo, o poderoso transmissor de Forte Lauderdale foi incapaz de estabelecer qualquer contacto com os cinco aviões, apesar das comunicações entre os componentes da esquadrilha serem perfeitamente audíveis.

                                                                                  A esta altura o pessoal da base estava num compreensível alvoroço, quando se espalhou a notícia que o Voo 19 havia se deparado com com uma emergência de origem desconhecida

                                                                                  Todos os tipos de suposições a respeito de ataques inimigos (apesar da Segunda Guerra Mundial ter terminado à vários meses), determinaram o envio de um Hidroavião de busca e salvamento, um bimotor Martin Mariner, com uma tripulação de 13 homens, o qual descolou da Base Aeronaval do Rio Banana.


                                                                                  Às 16:00' a torre conseguiu ouvir de relance que o Tenente Taylor inesperadamente passar o comando da esquadrilha para um amigo piloto da Marinha, o Capitão Stiver.

                                                                                  Apesar de confusa devido à estática e deformada pela excessiva tensão, foi audível ainda uma mensagem compreensível e enviada por ele:

                                                                                  Tenente Charles Taylor: Não temos certeza de onde estamos... Penso que devemos estar a 360 km à nordeste da base... Devemos ter passado por cima da Flórida e estar sobre o Golfo do México...

                                                                                  O líder da esquadrilha aparentemente resolveu dar uma volta de 180º na esperança de voltar para a Flórida, mas ao fazer a curva a transmissão começou a ficar cada vez mais fraca, indicando que deviam ter feito a curva na direcção errada e que estavam a afastar-se cada vez mais  no rumo leste, cada vez mais longe da Flórida e em direcção do mar aberto. Alguns relatórios afirmam que as últimas palavras ouvidas do Voo 19 foram:

                                                                                  Tenente Charles Taylor: ...parece que... nós estamos...

                                                                                  Enquanto outros operadores de rádio parecem lembrar-se ainda de outros detalhes, tais como:

                                                                                  Tenente Charles Taylor: Estamos em águas brancas... Estamos completamente perdidos...

                                                                                  Nesse meio tempo a torre de controlo recebeu uma mensagem enviada poucos minutos após a descolagem do Tenente Come, um dos oficiais do Martin Mariner, enviada da área onde se presumia que estivesse o Voo 19, afirmando que havia fortes ventos acima de dois mil metros.


                                                                                  Esta foi, no entanto, a última mensagem recebida do avião de resgate. Logo depois todas as unidades de busca receberam uma mensagem urgente dizendo que eram seis e não cinco os aviões que haviam desaparecido. O avião de resgate com seus 13 tripulantes também desaparecera misteriosamente.

                                                                                  Mais nenhuma mensagem posterior foi recebida do Voo 19 em sua missão de treino e do Martin Mariner que fora enviado para procurá-los. Um pouco depois das 19:00' no entanto, a Base Aeronaval de Opa-Locka em Miami captou uma mensagem muito fraca com o seguinte teor:

                                                                                  Tenente Charles Taylor: FT... FT...

                                                                                  (FT era o prefixo dos aviões do Voo 19)

                                                                                  O avião do instrutor do Voo 19 era FT-28. Mas se esta chamada fosse mesmo do "Esquadrão Perdido", a hora em que ela foi captada indicava uma transmissão duas horas depois dos aviões presumidamente já estarem sem combustível.


                                                                                  As buscas aéreas foram iniciadas imediatamente, ainda no dia do desaparecimento, só foram suspensas quando escureceu, mas barcos do Serviço da Guarda Costeira continuaram a procurar sobreviventes durante toda a noite.

                                                                                  No dia seguinte, quinta-feira, foi efectuado um dos maiores esforços de busca e salvamento de que há memória e que começaram às primeiras horas do dia seguinte, as buscas  envolveram 240 aviões, sem contabilizar mais 67 aviões pertencentes ao porta-aviões Solomons, quatro destroyers, vários submarinos, 18 navios da Guarda Costeira, centenas de aviões particulares, iates e barcos de menor porte, e os restantes PBM da Base Aeronaval do Rio Banana. Apesar também da ajuda da Força Aérea e da Marinha Britânica sediada nas Bahamas… nenhum vestígio das aeronaves desaparecidas foi encontrado.


                                                                                  Apesar de todos os esforços realizados nas buscas dos Avengers do Voo 19 e do Martin Mariner que partiu em missão de busca e salvamento, nenhum vestígio foi encontrado e toda a área foi vasculhada. Nenhum destroço, nenhum vestígio de óleo ou combustível no mar, nenhum corpo, assentos, asas.....nada nunca foi encontrado.

                                                                                  Em 2001 uma equipa de buscas encontrou por acaso alguns aviões Avenger no Oceano Atlântico, próximos da área onde o Voo 19 desapareceu.

                                                                                  A princípio foi concluído que os aviões eram os desaparecidos do Voo 19. No entanto, após se verificar o número de série das aeronaves, foi concluído que se tratavam de outras aeronaves, mantendo então o mistério sobre o desaparecimento daquela esquadrilha e do avião de busca que os seguiu.


                                                                                  Muitas hipóteses foram elaboradas para explicar o desaparecimento do Voo 19, como "Sequestro" por OVNI's e até passagem para outra dimensão.

                                                                                  O desaparecimento dos 6 aviões mantêm-se ainda  sem solução até os dias de hoje, sendo um dos maiores mistérios sobre aviões desaparecidos de toda a história da aviação.

                                                                                  O que teria acontecido com os Avenger's do Voo 19 e com o Martin Mariner que saíra em missão de busca e salvamento no dia 05/12/1945?

                                                                                  Teriam todos encontrado algum portal que os transportou para outra dimensão, ou haveria alguma explicação plausível para esse caso?

                                                                                  Seria coincidência ou seria obra do destino?



                                                                                  O Comando Operacional Filial de Arquivos, História e Património Naval, convocou  o Conselho de Investigação, NAS em  Miami a investigar a perda dos cinco Avengers TBM no voo 19  bem como o avião Martim Mariner PBM no  microfilme, NRS 1983-1937. Para solicitar uma cópia do filme  deverão ser pagas  as taxas indicadas na tabela de preços NHHC.
                                                                                  Deve preencher o formulário de pedido em duplicado e enviar um cheque ou ordem de pagamento para:

                                                                                  DEPARTMENT OF THE NAVY, 
                                                                                  Operational Archives Branch, NHHC,
                                                                                  805 Kidder Breese Street, SE, Washington Navy Yard, DC 20374-5060.


                                                                                  TERMOS:


                                                                                  NASFL - Naval Air Station Fort Lauderdale - Unidade fundamental para a formação de guerra de milhares de homens e mulheres. Mais importante ainda, foi a utilização da Estação Aérea Naval para treino de tripulações no Grumman Avenger Bombardeiro Torpedo TBF / TBM.

                                                                                  ASW - Anti-Submarine Warfare
                                                                                  AEW - Airborne Early Warning & Control
                                                                                  USAF - United States Air Force
                                                                                  CM - Electronic Counter Mesures 
                                                                                  EW -  Electronic Warfare 


                                                                                  (*1) - Na mitologia grega, Nereu (em grego antigo, Νηρεύς, translit. Nêreús, de νέειν, néein, "nadar") é um deus marinho primitivo, representado como um personagem idoso - o velho do mar.
                                                                                  Era filho de Pontos e de Gaia. Desposou a oceânide Dóris e foi pai de cinquenta filhas, asNeréiades, e de um filho, Nérites. O seu reino era o Mediterrâneo, e mais particularmente, o Egeu. Era conhecido por suas virtudes e por sua sabedoria. Píndaro celebra sua justiça benfazeja, daí seus epítetos "verídico", benfazejo", "sem mentira nem esquecimento".
                                                                                  Tinha o dom da profecia e, como outras divindades, podia mudar de aparência. Ajudou vários heróis, como Hércules, que sempre conseguia descobri-lo, mesmo quando mudava de forma.
                                                                                  Nereu é representado em obras de arte, assim como outros deuses dos mares, com umtridente e algas, que representam o seu cabelo e a sua barba. Parece ser a personificação do deus do mar anterior a Poseídon, quando Zeus destronou Cronos.


                                                                                  (*2) - A bauxita ou bauxite (pronuncia-se bauchita) é uma mistura natural de óxidos de alumínio, antes considerada mineral. Seu principal componente é o Al2O3. A bauxita contém também sílica, óxido de ferro, dióxido de titânio, silicato de alumínio e outras impurezas em quantidades menores. Os principais hidróxidos de alumínio achados em proporções variadas na bauxita são gibbsita e os isômerosboehmita e diásporo. A bauxita é classificada tipicamente de acordo com a aplicação comercial: abrasivos, cimento, produtos químicos,metalúrgicos e material refratário, entre outros. A maior parte da extração mundial de bauxita (aproximadamente 85%) é usada comomatéria-prima para a fabricação de alumina, por lixiviação química, método conhecido como processo Bayer. Subsequentemente, a maioria da alumina produzida deste processo de refinamento é, por sua vez, empregada como o matéria-prima para a produção de alumínio metálico pela redução eletrolítica da alumina em um banho de criolita natural ou sintética fundida (Na3AlF6), método conhecido como processo Hall-Héroult. Bauxita é a matéria-prima mais usada na produção de alumina em escala comercial. Outras matérias-primas, como anortosito, alunita, rejeitos de carvão e óleo de xisto, oferecem fontes potenciais adicionais de alumina. Embora pudessem requerer tecnologia nova, a alumina destes materiais não-bauxíticos poderia satisfazer a demanda para metal primário, refratários, substâncias químicas de alumínio, e abrasivos. Mullita sintética é produzida de cianita e sillimanita, substitutos para refratários bauxíticos. Embora mais caros, carbeto de silício e alumina-zircônia substituem abrasivos bauxiticos.

                                                                                  Se fosse um mineral, a bauxita seria o terceiro mineral mais abundante na natureza e mesmo assim tornou-se uma recurso natural muito valorizado. 90% do minério extraído destina-se à fabricação de alumínio, mas o processo continua sendo muito caro, pois são necessárias 5 toneladas de bauxita para produzir 1 tonelada de alumínio.














                                                                                  Aqui fala-se do Insólito... mas também de outras coisas!   Até música pode ouvir.

                                                                                   

                                                                                  Últimas páginas actualizadas:  Galeria Aéronautica,Músicas do meu mundo 2, Actualização de música nos Players, Coisas fantásticas, Fantasmas - Casos Diversos, Experiências de Quase Morte EQM's, Amigos com alma, Fenómenos & Situações Anómalas


                                                                                  Actualizado a 01Dez2014) 

                                                                                  [footer-script-0]